Sempre faz diferença

Em uma época onde a procrastinação reina, às vezes – ou sempre, a gente deixa pra lá coisinhas por achar que não precisa, que não faz diferença, ou que tá bom assim, ou então só deixa pra depois mesmo e acaba nunca retomando.

Comigo acontece o tempo todo. Passo dias sem cumprimentar colegas de trabalho que sentam longe. Deixo de mandar um segundo obrigada pra reforçar o agradecimento depois que alguém fez algo por mim. Abandono uma ideia linda de feliz aniversário, que pode ser até simples, e acabo só desejando parabéns pelo facebook. Me limito aos bom dia diários com os vizinhos, e nunca pergunto como eles estão, ou – pior ainda – dou um jeito de cortar a tentativa de conversa da senhorinha que está sempre no hall do prédio com o cachorro, só porque estou uns minutos atrasada (como se fosse mudar alguma coisa no meu atraso).

No fundo, bem no fundo, é muito difícil fazer as coisas APENAS em benefício dos outros. Porque quando não muda nada pra gente, quando “temos mais o que fazer”, esse tipo de “esforço” extra sempre acaba entrando pra aquela lista do “ah, deixa pra lá, não faz muita diferença”. Não faz diferença pra gente né?

E o que me fez pensar em tudo isso, foi apenas um ovo de páscoa e uma prima de 3 anos. Eu e minha irmã, que fomos passar a páscoa com a família, compramos um ovo pra nossa priminha, e queríamos fazer as pegadas do coelho no chão pra indicar o caminho. Fomos dormir sem nem esconder o ovo, pensando “ah, amanhã a gente pensa em como fazer”. Acordei pra ir no banheiro meio de madrugada já quase amanhecendo, e lembrei do ovo. Fui pra sala esconder, cheguei a pegar o pacote de farinha pra fazer as pegadas, mas percebi que não era tão fácil. Pensei “ah, deixa pra lá, só o ovo escondido já tá bom”. Quando acordamos de verdade, minha irmã disse “e se a gente fizer o caminho com cenoura?” – gastamos TRÊS MINUTOS pra cortar a cenoura em rodelinhas e espalhar pela sala.

O resultado, foi uma priminha encantada com o coelhinho que apareceu de madrugada, fez a maior bagunça deixando a cenoura espalhada e escondeu os ovos dela.

Sim, fez muita diferença. Pra gente era só um ovo. Pra ela foi uma aventura.

livinha